Header Ads

header ad

Tem um Wii? Quer uma dica? Não se desfaça dele

Os números não negam que o Wii foi um dos consoles mais bem-sucedidos de todos os tempos, com cerca de 113 milhões de unidades vendidas em pouco mais de sete anos. Mas quem estava vivo na época sabe que o fim dessa trajetória foi meio turbulento.

Por ser projetado para incluir gamers casuais, o Wii vendeu menos games que seus concorrentes, mesmo tendo uma base de clientes maior. Além disso, o Kinect para XBox 360, lançado no meio da geração, ofuscou o sensor de movimentos do Wii. Enquanto o componente da Nintendo capturava os movimentos dos controles, que o jogador segurava com as mãos, o componente da Microsoft capturava os movimentos das próprias pessoas, que não precisavam usar absolutamente nada preso ao corpo.

Jogar golfe assim ainda tinha seu charme em 2007.

É claro que o gamer hardcore mais trevoso não estava muito interessado nisso de jogar pulando e levantando o braço. Nem no console da Nintendo, nem do da Microsoft. Mas a inferioridade do sensor da Nintendo diante de seus concorrentes era apenas um dos vários traços da configuração do aparelho que punham o Wii num patamar abaixo.

Em pouco tempo, novas utilidades para o Kinect foram sendo encontradas, desde exercícios, passando por apresentações profissionais e chegando até a cirurgias.

Em 2011, cool era jogar sem ter absolutamente nada nas mãos.

No fim da sétima geração, o Wii, que a havia "vencido" por ter vendido mais consoles, estava um tanto desacreditado. O que veio a seguir, o console Wii U, é um capítulo sofrível a parte. Mas já àquela época, nos distantes (?) idos de 2012, um mercado retrô se mostrava em franca expansão.

De repente, ter um Nintendo Entertainment System (NES, Nintendinho) não era mais sinal de que você é uma pessoa pobre que só tem condições de ter um console antigo e ultrapassado. Se tornou algo até glamouroso. Pretexto para convidar a galera para uma social.

Quem tem acompanhado o mercado de jogos nos últimos dois anos tem visto que o retrô tem ganhado um olhar cada vez mais interessado de todo mundo: desde estúdios com poucos anos de bagagem que usam 16-bits como linguagem estética (nos anos 1980 era só falta de opção tecnológica mesmo) até as gigantes dos consoles, todo mundo quer tirar um pedacinho.

Para Nintedo e Sega, que viveram aqueles tempos mágicos, o retrô não é o carro chefe, mas serve como renda extra. Para a Atari, que até já declarou falência em 2013 mas continua aí "firme e forte"(😄😂) viver de passado é um negócio de ouro.

Acontece que, com a terceira década do século XXI já batendo à nossa porta, a nostalgia já chegou aos anos 2000. Sim, meu caro amigo dos anos 80, você já pode namorar alguém que nasceu em 1999, sem que isso te cause problemas com a lei. E também pode namorar aquele Dreamcast lindão que era meio desprezado em seu tempo.

O Dreamcast, aliás, é um caso interessantíssimo de console que passou da posição de patinho feio para a de console incompreendido que todos amam defender. Já percebeu o tanto de artigos do tipo "Dreamcast só foi ofuscado pelo Playstation 2 por questões de marketing, mas era bacaninha" que começaram a pipocar por aí ultimamente?

Dreamcast: já foi preterido, mas começa a se tornar xodó.

É numa toada mais ou menos assim que uma certa nostalgia do Wii já começa a se manifestar. Afinal de contas, bem ou mal, o Wii está prestes a completar 11 anos de seu lançamento. Já saiu do dia-a-dia e entrou na memória afetiva de muita gente.

Volta e meia tropeço em artigos indicando os "melhores jogos assim assado" para Wii e, ao ver a data da publicação, me surpreendo em perceber que o artigo é recente. E, acredite, o sotaque de saudosismo tende a aumentar cada vez mais.

Se tudo der certo com o Nintendo Switch, ele provavelmente irá "caducar" lá por volta de 2023. Mas a saudade dos consoles antigos ninguém consegue aplacar.

No site Know Your Meme tentaram montar um Switch usando os controles do Wii

Com sensores atualmente sendo vendidos a pouco mais de R$ 30 e controles a R$ 150, talvez ainda seja mais negócio conservar seu Wii do que enviá-lo para o limbo das coisas "ultrapassadas" que podem ser vendidas por cinquentão e um copo de Ki-Suco nos porões da web.

Aliás, se tem uma coisa que os tempos atuais podem nos provar, é que parece não haver mais isso de "ultrapassado" em videogames.


Com fotos de EveryStockPhotos, Wiki Media e Direct Geek

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.