Header Ads

header ad

Ascendant Reality: usando a realidade virtual (ou a "realidade ascentende") para brincar de deus




Em uma época com tanta frequência de temas como Realidade Virtual e Realidade Aumentada, um grupo de empreendedores australianos pretende ir além. Com uma campanha de financiamento coletivo audaciosa no Indiegogo — 50 mil dólares australianos, ou cerca de 120 mil reais — a equipe sob comando do CEO Carlo J. Wisse promete que a tecnologia usada em seu jogo em desenvolvimento será capaz de levar o usuário a uma experiência semelhante à de um deus.

Não é de hoje que games pretendem levar alguma experiência assim aos seus usuários. A série The Sims já fez algo parecido, e o projeto Godus também prometia algo assim — mas o projeto era tão grandioso que mesmo três anos após a primeira data estipulada para lançamento, não há sinal de que ficará pronto.

A ideia é que Ascendant Reality não só seja um jogo como o precursor de algo capaz de dar ao jogador um poder de influência dentro do jogo ainda maior que o já proporcionado pelos conhecidos meios da Realidade Virtual.

Vem desse aumento de poder, aliás, o conceito de "realidade ascendente". O jogador, segundo Wisse em vídeo promocional, controlaria tudo com as mãos, sem a necessidade de qualquer controle físico. E esse "tudo", como você verá mais a diante, é algo bastante abrangente.

Carlo J. Wisse demonstrando a experiência do jogador.

A apresentação do projeto em seu site oficial é bastante promissora:
Ascendant Reality pretende ser a próxima geração de jogos de realidade virtual e motores de interação. Usando Realidade Virtual misturado com diversas entradas em tempo real, como o controlador Leap Motion, o jogador verá e será uma melhor versão de si mesmo dentro da realidade digital. Uma versão muito melhor. Com força aumentada, teletransporte, poderes da força, habilidades da possessão, habilidade do vôo e tanto mais! Tudo ao usar suas próprias mãos no jogo e seu próprio movimento. Você vai se sentir como um deus. Você será um deus.



A parafernalha utilizada no desenvolvimento
A reconstrução da mão do jogador dentro do game.
 



Alguns dos cenários.
A campanha

Os criadores já vêm trabalhando no Ascendent Reality há algum tempo e pretendem continuá-lo, independentemente dos resultados da campanha — que é livre, ou seja, eles receberão o dinheiro investido mesmo que eles não atinjam a meta.

E a meta, sejamos claros, é bem audaciosa. A divulgação não parece ser um dos fortes da equipe, o que explicaria o fato da campanha pouco ter evoluído desde seu lançamento — faltam dois meses para o encerramento — o que é uma pena.



Mais sobre o projeto

O site oficial também tem mais sobre o projeto
Realidade (o estado das coisas como elas realmente existem) Ascendente (aumento no poder ou influência), é um jogo / simulação onde você controla todos os aspectos da realidade. Como um deus. 
Esta simulação gira em torno de VR e tecnologias de presença. Dando-lhe uma experiência e poder que você nunca sentiu antes em sua vida. Cada habilidade que você pode sonhar está contida num mundo digital enorme preenchido com "seres". Esses seres se adaptam e evoluem quanto mais tempo você gasta na simulação e quanto mais coisas você faz dentro desse mundo. 
O tecido literal da realidade muda com cada escolha que você faz. Construa para eles e eles vão adorá-lo, destrua-os e eles vão te adorar da mesma forma... Até o momento em que eles possam começar a reagir com a construção de suas próprias máquinas para te prejudicar. 
Eles, no entanto, não sabem o quão poderoso você é, e à medida que você progride a simulação, seus poderes também crescem, fazendo de você um Ascendente maior, melhor e mais poderoso. Alguns sempre te adorarão, outros, independentemente do tipo de Ascendente que você seja, estarão contra você. 
Os seres também vão lutar entre si, começando guerras e batalhas que você pode participar ou sentar e assistir. Os seres evoluem sua tecnologia e idéias quanto mais você joga. É um mundo hiper-realista com controles hiper-realistas e habilidades hiper-impressionantes. Controle os elementos, controle as pessoas, faça você mesmo, voe, possua, desmembre, prejudique, desenhe vírus, as opções são infinitas. 
A relação de tempo é de uma hora de jogo é igual a 24 horas na realidade simulada.
A inteligência artificial utilizada no jogo é baseada, segundo as palavras do grupo, em "Inteligência fabricada", "Emoção fabricada" e "Comportamento fabricado". Tais fatores estão predominante, mas não completamente, sob a influência do jogador.



Diante de um projeto tão audacioso e com a promessa de experiências tão marcantes, só nos resta torcer para que ele realmente seja concluído. Já há projetos grandiosos pela metade aos montes no ambiente gamer.

Com imagens de divulgação e reprodução.

Nenhum comentário

Tecnologia do Blogger.